Colunistas|06.set

Si se puede

Como cirurgião dentista tive que aprender, desde muito cedo, a lidar com o medo, a desconfiança inicial e a sensibilidade dos meus pacientes. Alguns dizem que esse é um dos grandes segredos de um bom profissional da área, se colocar no lugar do paciente e ter essa sensibilidade. A relação causal entre o medo do paciente e a falta de sensibilidade do profissional não é, ainda, cientificamente comprovada mas podemos falar que a empatia entre profissional e paciente faz muita diferença na somatização da dor. Trato meus pacientes da maneira que eu gostaria de ser tratado.
Desde o início do ano de 2020 o assunto pandemia, que outrora estava relegado às sonolentas aulas de Geografia de ensino médio, tornaram-se parte do “main stream” 24 por 7 (24 horas por dia, 7 dias da semana) e do dia para noite todos, inclusive os menores seres pensantes existentes, tornaram-se especialistas em saúde pública. Junto com a pandemia do malfadado COVID19 novas tendências tomaram conta da nossa rotina, EMPATIA tornou-se a palavra da moda, o Binarismo tornou-se regra assim como
a Hipocrisia.
Desde o início dos anos dois mil com a capilarização das redes sociais a onda de “coaches” e gurus aumentou sobremaneira, fórmulas de sucesso surgiram como oásis em um deserto e sem perceber entramos em um ciclo de substituição. Pastores, padres, bispos e igrejas passaram a ser gradualmente substituídos por celebridades influenciadoras que com suas vidas instagramáveis mostra um caminho muito mais simples para se atingir o paraíso tão sonhado, do que os 40 anos no deserto enfrentados por Moisés em sua, possível, peregrinação pelo oriente médio. Reparem como o meu paciente e o seguidor do Tony Robbins procuram a mesma coisa: SENSIBILIDADE, EMPATIA, CARINHO, AGRADO, enfim se você teve a paciência de ler esses três parágrafos acredito que entendeu onde eu quero chegar.
Imagino como minha saudosa, no sentido literal da palavra, professora Nincia deve se sentir ao ler esse texto (partindo do arrogante pressuposto que ela lerá essa coluna), onde três parágrafos desconexos entre si surgem em tom provocativo, mas que nos levam do nada ao lugar nenhum, pois bem chegou nosso “Plot Twist”!!!
Partindo do princípio de que consumidores/clientes procuram serviços/produtos que exalem EMPATIA, por que nossos políticos não exercem a mesma? Avanço um pouco mais, por que nós como eleitores/consumidores não exigimos de nossos governantes tal sensibilidade já que eles são os que mais deveriam exercê-la? Nessa não tão breve coluna vou me ater ao poder público municipal, onde estava a empatia de nossos vereadores ilustres, alguns com 20 anos ou mais de mandato, e de nosso prefeito ao aprovarem um aumento salarial, por mais legal e constitucional que seja, em um período de miséria inflação e desemprego? Por que nosso prefeito, o primeiro depois de longos anos, vindo do povo, não pertencente à nenhuma oligarquia familiar, não se sensibilizou com os eleitores e renunciou ao seu direito ao aumento salarial?
Não podemos negar que os últimos 8 anos a administração municipal elevou o patamar do nosso município, também é inegável que por mais que as atitudes tenham sido contestáveis em um primeiro momento, mas o combate ao vírus está sendo bem-sucedido, MAS não podemos apenas aplaudir os acertos e esquecer os erros. Devemos ter em mente que o gestor público tem a obrigação de ser idôneo e correto, ser um bom gestor não é um mérito mas de certo modo é uma obrigação, portanto SIM nesse texto vou salientar o erro pois o acerto é obrigação em um gestor público. Pois bem, sou muito grato ao prefeito Celso e sua equipe pelas conquistas do nosso município, fico muito feliz em viver em uma cidade pujante, mas isso não diminui em nada a falta de EMPATIA e Sensibilidade ao decidir por aumentarem seus próprios salários em um ano como o que estamos vivendo.
Meus pacientes muitas vezes necessitam ser anestesiados para que possamos executar algum procedimento mais invasivo, normalmente essa anestesia tem um efeito rápido diferente da anestesia que tomou conta de nossa população guarapuavana que assiste ao aumento salarial dos líderes, ao gasto exacerbado de verbas em barracas e diárias, que parece ser permanente. Estamos vendo a “martelada” mas não estamos sentindo, infelizmente. EMPATIA e SENSIBILIDADE todos querem, não custa nada, está na moda, mas infelizmente nossos líderes preferem nadar contra a maré, afinal de contas como aprenderam de seus pais na infância “Você não é todo mundo”…
“O truque mais esperto do Diabo é nos convencer de que ele não existe” (Charles Baudelaire)


por Gidalti Bueno Linhares

Cirurgião dentista formado na Universidade Estadual de Ponta Grossa , especialista em Ortodontia, Pós Graduado em Biomecânica Ortodôntica.