Cotidiano|03.dez

A partir da meia noite desta quarta-feira, o primeiro single de Roberto Kuster “World by a six string” estará disponível em todas as plataformas digitais

Escrito por Ana Laura Becker e Rayssa Braga

Emoção e alegria marcaram a noite da última segunda-feira (02) no Hotel Kuster. Em sua primeira coletiva com os principais meios de comunicação de Guarapuava, Roberto Küster ou Robertinho, como é conhecido, contou tudo sobre o processo da produção de seu álbum que vai contar com 10 faixas, 8 delas sendo autorais.
O primeiro single intitulado “World by a six string”, “O mundo por seis cordas” em português, foi escrito por Jamie Morgan. O músico gostou da voz de Roberto e a partir do material, ainda em produção, eles adaptaram os arranjos que se transformaram na música que todos poderão ouvir a partir de amanhã. A música relata a paixão de um homem pelas seis cordas de seu violão. “Realmente é o que eu amo: estar tocando meu violão”, diz Robertinho.
Será lançado um lyric video do single (um clipe com a letra da música), repleto de imagens do jovem cantor e compositor em suas apresentações. Também logo será lançado uma versão acústica da música.
O álbum foi produzido durante dois anos, gravado em Nashville nos EUA e conta com a participação do produtor Doug Holmquist e de Sérgio Carrer, o “Feio”, que já trabalhou com a dupla Sandy e Junior. “Eu sou um cara jovem e o Sérgio com 60 anos trouxe muita experiência, aprendi muito com ele, é gratificante ver como as coisas são feitas”, explicou Roberto sobre seu tempo com o produtor.
Roberto, já participou do The Voice Brasil em 2018, realizou um show com a orquestra de Guarapuava no Teatro Municipal e agora está a caminho de lançar seu álbum. “Só de já ter chegado nesse ponto eu já estou muito feliz”, enfatiza o jovem de apenas 20 anos. O segundo single vai ser lançado em breve e é 100% autoral. A música “World by a six string” vai ser lançada nesta quarta-feira e estará disponível no Spotify, Youtube, Deezer, Amazon Music, entre outras plataformas digitais.

 


por Mônica Cordova