Colunistas|10.dez

Automação ou Autonomia

Prezados leitores, gostaria de dedicar o artigo desta semana, a uma relevante reflexão sobre a educação formal ofertada por grande parte das instituições de ensino, a nossos jovens nos dias de hoje.

Considerando que presenciamos na atualidade, uma revolução científica e tecnológica, onde a informação e o conhecimento estão ao alcance de todos numa velocidade exponencial e que, a empregabilidade do futuro está relacionada a chamada indústria 4.0 ou quarta revolução industrial, onde inteligência artificial, automações e sistemas robotizados, factualmente estarão em expansão no mercado, a pergunta que não cala é: as instituições de ensino estão de fato, suprindo as necessidades educacionais das atuais e futuras gerações?

Neste sentido, atividades que possam ser desenvolvidas buscando estimular o desenvolvimento de habilidades digitais como a linguagem de programação, o empreendedorismo, a criatividade, o trabalho colaborativo e sistemático, na possível busca da solução de um problema, ou na criação de um produto, dentro de comunidades de aprendizagem criativa, podem ser excelentes ferramentas educacionais para uma aprendizagem significativa, uma vez que proporcionam maior flexibilidade cognitiva aos estudantes (o equivalente a expandir a zona de conforto saindo da caixinha).

Duas dicas importantes para iniciarmos essa transição de uma educação bancária, onde segundo Paulo Freire, o aluno é apenas um depositário de informação, uma espécie de autômato, que apenas age de acordo com os comandos do professor, para uma educação libertadora, em que este mesmo aluno, orientado pelo seu mestre, torna-se um ser autônomo e construtor do seu próprio conhecimento, são a plataforma educacional Scratch e o hardware reprogramável Arduíno.

O Scratch é um software ou plataforma educacional em linguagem de programação textual desenvolvido em 2007 pelo grupo Lifelong Kindergarten no Media Lab do M.I.T. (Massachusettes Institute of Technology), onde foi idealizado pelo professor Mitchel Resnick. A utilização do sistema de blocos lógicos apresentados ao usuário, caracteriza-se como uma ferramenta metodológica que possibilita a criação de projetos multidisciplinares, onde os estudantes podem desenvolver histórias, games, animações interativas, trabalhando de forma criativa, colaborativa e sistemática, competências consideradas fundamentais para o século XXI.

Já o Arduino é uma plataforma de prototipagem eletrônica “open-source” ou de código aberto, baseado em hardware e software flexíveis, de fácil utilização pelo usuário e de baixo custo. Balizado num modelo educacional STEM, sua utilização permite interligar importantes áreas do conhecimento como ciência, tecnologia, engenharia e matemática, através da elaboração de projetos onde os educandos de forma compartilhada, cocriam soluções para problemas reais do seu entorno.

Que tal você pai, professor ou aluno, reservar umas poucas horas das férias que se aproximam para se dedicar a conhecer um pouco mais sobre estas duas ferramentas educacionais? Tenho certeza que irão se apaixonar!

Nas palavras do grande gênio da criação Leonardo da Vinci: “Uma vez que tenha experimentado voar, você andará pela terra com seus olhos voltados para o céu, pois lá você esteve, e para lá deseja voltar”.

Um abraço e boa semana!


por Cristiane Pawlowski Kuster

Guitarrista da 350ml, mestre em Letras.