Colunistas|03.dez

O Importante é Lutar por um Ideal

Prezados leitores, é de conhecimento de todos que, com a chegada do verão se intensifica o cuidado com possíveis surtos de doenças transmitidas por insetos, com destaque, evidentemente, para aquelas transmitidas pelo Aedes Aegypti, vetor de importantes vírus, como os causadores da febre amarela, dengue, zika e febre chikungunya.

Procurando executar com zelo meu papel de educador e cidadão, ao orientar meus alunos sobre a necessidade de agirmos de uma forma preventiva sobre estas moléstias, evitando focos de disseminação do mosquito/pernilongo vetor, me permiti viajar pelo tempo, transportando-me ao início do século XX, onde a humanidade, assim como hoje, vinha lutando contra surtos epidêmicos que dizimavam grande parcela da população, em especial o Brasil, com suas epidemias de febre amarela, peste bubônica e varíola.

Impossível deixar de citar e mesmo buscar inspiração numa figura eminente da saúde pública brasileira e mundial, cuja coragem, persistência e espírito empreendedor, soube superar diversos obstáculos e críticas e proporcionar uma verdadeira revolução científica no Brasil. Trata-se do médico sanitarista brasileiro Oswaldo Cruz.

Formado em Medicina aos 20 anos de idade pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Oswaldo, dizia ter um interesse especial em pessoas e animais, e essa sua obstinação o levou a implementar importantes medidas sanitárias no Brasil, em parceria com instituições internacionais como o Instituto Pasteur na França, onde teve a oportunidade de estudar.

Num trabalho conjunto com pesquisadores ilustres, como Carlos Chagas e Adolfo Lutz, contribuiu para a elucidação do ciclo de transmissão de moléstias tropicais, implementação da medicina experimental, organização de expedições com campanhas de dedetização e vacinação, que, diga-se de passagem, receberam duras críticas na época por porte de autoridades políticas e ligas anti-vacinas.

Talvez o maior legado, desta figura de destaque da medicina brasileira, que faleceu prematuramente aos 44 anos, por problemas respiratórios e renais, tenho sido o Instituto Osvaldo Cruz (FIOCRUZ), com sede no Rio de Janeiro, instituição mundialmente reconhecida pela sua contribuição para a pesquisa e saúde pública promovendo o desenvolvimento social, além da disseminação do conhecimento cientifico e tecnológico.

Pensar sobre a importância e a contribuição de Oswaldo Cruz para a humanidade me traz novamente ao presente e me inunda o coração com uma vontade arrebatadora de contribuir para uma melhor qualidade de vida não somente minha, mas para todos os que estão ao meu redor. Mesmo que seja a partir de simples gestos como tampar caixas d’água, manter calhas sempre limpas, virar garrafas de cabeça para baixo ou mesmo preencher pratos de vasos com areia. Não importa o quão simples seja a atitude. O importante é lutar por um ideal, pois este além de nos enaltecer, nos dá sentido à vida.

Nas palavras do próprio Oswaldo Cruz: …o saber contra a ignorância, a saúde contra a doença, a vida contra a morte… mil reflexos da batalha permanente em que estamos todos envolvidos. ”

Boa semana e cuidado com o mosquito!!!


por Cristiane Pawlowski Kuster

Guitarrista da 350ml, mestre em Letras.