Colunista|01.out

O Olhar para Além do Tempo

Prezado leitor, vamos dedicar a coluna desta semana a uma ilustre figura da humanidade: o gênio italiano Leonardo da Vinci, uma das figuras mais proeminentes do Renascimento que se notabilizou por grandes obras de arte como a Mona Lisa, a Última Ceia e o Homem Vitruviano, dentro de tantas outras que merecem destaque.

Leonardo, como era conhecido, não apenas se destacou pela sua veia artística, mas também pela sua engenhosidade no campo das ciências e engenharias, concebendo ideias muito à frente do seu tempo, podendo-se listar o leocóptero (máquina voadora semelhante a um helicóptero), o carro automotor, cavaleiro mecânico, uma máquina voadora e até mesmo um tanque blindado. É bem verdade, que muitas destas engenhocas não saíram do papel, ou por falta de investidores, ou pela conhecida “procrastinação crônica” do ilustre homem renascentista, segundo estudiosos de sua bibliografia. Mas, não se pode negar que serviram de inspiração para muitas tecnologias.

O que poderia ter tornado Leonardo um homem com um espírito tão avançado ao seu tempo? Qual o mistério por trás deste talento de elevada sensibilidade para a arte e para a invenção? Para muitos, a resposta a esta questão está relacionada evidentemente a seu talento inato, mas também as suas habilidades mentais, notadamente sua capacidade analítica em encontrar soluções para problemas, conectando conhecimentos que, aparentemente não faziam nexo.

Sempre comento com meus alunos, que devemos nos espelhar no perfil de Da Vinci, procurando trabalhar no nobre ofício do escultor que lapida a si mesmo, desenvolvendo nossas atividades com inspiração, zelo e profundidade, identificando oportunidades, aproximando pessoas e pontos de vista, e, acima de tudo, traçando estratégias concretas para apontar soluções, onde somente se enxergam problemas.

Nesta perspectiva, valendo-me da expressão carregada e intensa do olhar da Mona Lisa ou Gioconda, a célebre pintura de Leonardo, a qual a ilusão de ótica nos prega a peça de que seus olhos inquisitivos e penetrantes nos seguem de todos os ângulos e direções, vale a seguinte dica: precisamos transformar nossa mente num poderoso motor propulsor de criatividade e inovação, conhecendo novas áreas, incubando novas ideias, colidindo opiniões e ampliando nossa visão, uma vez que sempre estaremos sendo observados, porém, cientes de que a sorte somente encontra aqueles que estão preparados.

Como dizia o próprio Leonardo: aprender é algo que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende.

Imagem destacada: Pixabay


por Cristiane Pawlowski Kuster

Guitarrista da 350ml, mestre em Letras.

Colunista|27.jan

Terrorismo Biológico

Colunista|23.jan

Carnaval no Nordeste

Colunista|22.jan

Colapso Ecológico

Colunista|13.jan

Um doce e gordo veneno

Colunista|13.jan

Vinhos de verão