Colunistas|16.jun

Sentar em W

É comum as crianças adotarem a posição “em W” por basicamente três motivos: a criança tem uma flexibilidade maior que o adulto, podendo adotar diferentes posições; também é uma posição confortável para elas, pois dá estabilidade e por último e com mais importância pelo motivo de que a anteversão do colo femoral é maior (enquanto no adulto é de cerca de 15 graus, ao nascer é de 30 a 40).

Existe o mito de que sentar em W vai predispor a deformidades nos membros inferiores, o que não existe comprovação científica estabelecida. O que acontece é justamente o contrário: a persistência da anteversão femoral elevada que faz com que o hábito dessa posição também persista, causando dúvidas entre causa e consequência, como diz o ditado:
“Quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?”.

Contudo a posição em W por longos períodos pode dificultar desenvolvimento adequado da musculatura, bem como do equilíbrio. O importante é evitar os excessos, para que haja um desenvolvimento normal, estimulando posições diversas.

Quando não existe a suspenção desse hábito por volta dos 9 anos pode ser um indício de que não ocorrerá o desenvolvimento natural dos membros inferiores, portanto é aconselhável procurar um ortopedista pediátrico para uma avaliação mais profunda.


por Gustavo Werle Ribeiro

Formado em medicina pela PUC-PR (2006-2011), realizou sua residência médica em Ortopedia e Traumatologia no Hospital Universitário Evangélico de Curitiba (2012-2014) e foi aprovado no exame de título como membro efetivo da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Realizou superespecialização em Ortopedia Pediátrica e Reconstrução e Alongamento Ósseo no INPAR (2015-2016), sendo membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia Pediátrica e do Comitê ASAMI.