Colunista|25.dez

Um Clássico Presente de Natal

Prezados leitores, estamos nos aproximando da data mais comemorada pelo cristianismo: o nascimento do Grande Mestre Jesus. No entanto, respeitado a grandeza deste, que seguramente foi e é o maior líder espiritual que já passou pela Terra, vamos dedicar este texto, a outro grande pensador, cujos registros históricos apontam um nascimento em 25 de dezembro,  Newton teria nascido em 4 de janeiro de 1643 em Woolsthorpe Manor, embora seu nascimento tivesse sido registrado como no dia de Natal, 25 de dezembro de 1642, em função da Grã-Bretanha, neste período, utilizar o calendário juliano, e cujo legado o credenciou ser o cientista que mais impactou a história da ciência. Sir Isaac Newton.

Dono de uma personalidade sóbria, fechada e solitária (bem o oposto do Cristo), Newton promoveu estudos cujo escopo era descobrir Leis Universais, de forma que pudessem ser enunciadas em princípios matemáticos tangíveis e racionais. Entre suas contribuições para a Física Clássica, destaca-se a obra publicada em 1687 Princípios Matemáticos de Filosofia Natural, onde descreve Leis e Princípios Universais, relativos ao movimento dos corpos tais como: a Gravitação Universal, a Inércia, o Princípio Fundamental da Dinâmica e a Lei da Ação e Reação, os quais pretendo perscrutar, a fim de extrair uma reflexão filosófica, em função desta grandiosa data que se aproxima.

Iniciarei esta reflexão pelo princípio da inércia, que é justamente a resistência que a matéria oferece ao movimento. Neste sentido, procurando estabelecer uma analogia com um mundo em constante evolução, mas que por vezes, se desvia da senda do progresso, é preciso potencializar nossa força interior para que possamos romper crenças e posturas antigas, que nos impedem de acelerar em busca não somente de nossos sonhos e desejos, como também de estender nossa mão ao próximo em gestos de caridade, seguindo o exemplo do Cristo, para quem, fora desta atitude, não existe salvação.

Lembre-se, que segundo Newton, a inércia é inversamente proporcional a força, mas que está, por sua vez, é diretamente proporcional a aceleração. Então, concentre sua energia interior para acelerar os seus projetos e propósitos, bem como contribuir para com o seu semelhante, naquilo em que puder. Afinal, está é a verdadeira essência do Natal, o que nos leva a pensar que, o que fez de Jesus um grande pregador, não foram somente suas metáforas, mas, principalmente, a aplicação dos preceitos que nortearam sua elevada moral.

Ademais, ainda buscando inspiração na física mecanicista de Newton, cabe, nesta data tão sublime, lembrar que, diante dos atos que praticamos, para cada ação existe uma reação, de mesma intensidade, mas de sentido contrário. Em outras palavras: aquilo que damos ao Universo, este nos devolve. Se praticamos atos de virtude, como a benevolência, a tolerância, a aceitação, a empatia e o amor, certamente estas benesses nos retornarão. Do contrário, se o cenário em que nos encontramos, bem como os acontecimentos que marcaram nossa vida neste ano não foram tão favoráveis assim, mesmo que, na nossa concepção não sejam tão justos, vale a pena, inspirado no princípio da ação e reação, pelo menos fazer uma introspecção.

Por fim, não poderia deixar de meditar sobre a Lei da Gravitação Universal, Lei que rege a atração entre os corpos celestes, na razão direta de suas massas e inversa do quadrado de suas distâncias, e que, comparado com os ensinamentos do Cristo, poderia ser traduzida pela Lei do Amor. É preciso, diante daquele mesmo mundo citado acima que caminha numa marca incessante para novos tempos, marcado, por muitas vezes pela injustiça e pela falta de retidão, disseminar o mais puro sentimento de amor, traduzido em gestos de respeito, afetividade, lealdade, companheirismo, abnegação e reciprocidade.

Afinal, nas palavras do próprio Isaac o qual foi definido pelo pensador britânico Lord Keynes como “aquele que entendia o Universo como um criptograma composto pelo Todo Poderoso”, é preciso edificar mais pontes e menos muros.

 

Um Feliz Natal a todos

 


por Cristiane Pawlowski Kuster

Guitarrista da 350ml, mestre em Letras.

Colunista|27.jan

Terrorismo Biológico

Colunista|23.jan

Carnaval no Nordeste

Colunista|22.jan

Colapso Ecológico

Colunista|13.jan

Um doce e gordo veneno

Colunista|13.jan

Vinhos de verão